O professor Wemerson da Silva Nogueira, investigado pela Secretaria de Educação do Espírito Santo (Sedu) por suspeita de apresentar diploma falso de licenciatura em química, disse que pretende chegar a um acordo com a Universidade Metropolitana de Santos (Unimes).

“De uma coisa eu tenho certeza: isso vai ser esclarecido. Se eu tive esse problema e a Unimes também, eu acredito que ambas as partes terão que entrar em um acordo. Eu paguei, que seja para estudar em um polo clandestino. Vamos ter que entrar em acordo”, declarou.

A titular da Delegacia de Defraudações, Rhaiana Bremenkamp, falou que investiga diversos casos de falsificação de diplomas no Espírito Santo.

A delegada explicou que muitos professores procuram a delegacia porque frequentaram cursos e descobriram que foram enganados. Geralmente, segundo ela, isso acontece em cursos de modalidade a distância.

“Muitos fazem cursos em polos. Em muitos casos, a faculdade fala que não tem vínculo com o polo, e o polo diz que tem vínculo e que foi enganado por um intermediário. A pessoa pode ter apresentado o documento sem saber se é falso. Isso precisa ser analisado”, explicou a delegada.

A delegada confirmou que a Unimes pediu a abertura de uma investigação sobre um polo em Pancas, no Noroeste do Espírito Santo. Ela disse que o local já está fechado, mas não passou mais detalhes sobre o caso.

Wemerson, que foi eleito educador do ano em 2016 e nomeado embaixador da educação no Brasil pelo MEC em 2017, tem uma denúncia em andamento por suspeita de apresentar diploma de licenciatura falso em um processo seletivo de designação temporária da Secretaria de Educação do Espírito Santo (Sedu). Ele também concorreu ao prêmio Global Teacher Prize, considerado o Nobel da educação.

Ele se disse constrangido com a situação, principalmente porque chegou a ser procurado pela Unimes quando foi indicado ao prêmio internacional. Segundo Wemerson, há mensagens que comprovam a afirmação.

“Eles me procuraram pelo Whatsapp, queriam fazer uma matéria comigo. Eu me coloquei à disposição para atender à instituição. Eles se aproximaram para capitalizar o meu reconhecimento nacional e internacional”, reclamou.

Funcionamento do curso

Wemerson contou que ficou sabendo do curso por meio de uma publicidade da faculdade, que falava sobre polos em várias cidades do estado. Como o polo de Pancas, no Noroeste do Espírito Santo, era o mais próximo de onde ele morava, ele foi até lá para fazer a matrícula.

“Quando eu concluí o meu ensino médio, eu ouvi falar sobre o Ensino a Distância e eu procurei a faculdade Unimes. Como eu vim de uma família muito simples, foi a única oportunidade que eu tive de fazer um curso superior”, disse.

Ele contou que fez contato com uma mulher chamada Angélica durante todo o tempo do curso, que durou três anos. Durante quatro semestres, ele disse que fez provas nesse polo, descrito como “uma casa com salas e computadores”.

Tirando as provas, todas as atividades eram feitas pela internet, por um site que não existe mais, mas que tinha o domínio da Unimes, segundo ele.

“Pelo fato de ser o meu primeiro curso superior, eu não me atentei. Meu único desejo era me tornar um bom profissional”, falou.

Casos de fraude

A delegada Rhaiana Bremenkamp explicou que há algumas possibilidade de fraude envolvendo diplomas:

  • pessoas que vendem diplomas falsos (fabricam ou trabalham dentro das instituições)
  • pessoas que oferecem o curso em uma instituição irregular e fornecem um diploma sem validade
  • pessoas que compram sabendo que o diploma é falso

De acordo com ela, quem estudou e foi enganado pode perder o investimento, mas não responde por nenhum crime, se agiu com boa fé. “Se a pessoa estudou, fez tudo direito, ela não pode ser tratada como criminosa” , disse.

Já quem falsifica documentos públicos ou faz uso de documentos falsificados está cometendo crimes, com pena de dois a seis anos de reclusão e multa.

“Tivemos um caso de uma pessoa que vendia por R$ 1 mil para pessoas participariam de concursos. Já tivemos um caso também em que uma funcionária vendia diploma em nome da faculdade”, relatou.

A delegada contou que, em um dos casos investigado, uma estudante de direito havia feito um curso supletivo irregular e por isso perdeu o tempo de estudo na instituição de ensino superior. “E quem é que vai pagar por isso?”, questiona.

Universidade

O advogado da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes), Ricardo Ponzetto, disse que o diploma apresentado pelo professor Wemerson da Silva Nogueira é “grosseiramente falso”.

Segundo o advogado da Unimes, a universidade foi consultada pela Sedu em 2016 sobre o diploma de Wemerson. “Imediatamente com a consulta da Sedu, respondemos em ofício que de que ele era falso. Grosseiramente falso, até mesmo a assinatura da reitora”, afirmou.

Além do caso de Wemerson, o advogado disse que a Sedu já havia consultado a Unimes por conta de outros diplomas falsos, em 2015. “Imediatamente a gente requereu a instauração de um inquérito policial”, explicou.

A Unimes também instaurou um processo administrativo e disse que havia um grupo de falsários que atuavam no estado em nome da Universidade e que agora teria migrado para o Nordeste.

MEC

O ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho, disse nesta quinta-feira (11) que o suposto uso de diploma falso pelo professor Wemerson da Silva Nogueira em um processo seletivo de designação temporária no Espírito Santo deve ser apurado pelo estado. Na segunda-feira, o docente foi nomeado embaixador da educação pelo Ministério e eleito Capixaba do Ano.

“Na verdade a investigação não é do MEC, o vínculo do professor é com a rede de Educação do estado do Espírito Santo e cabe à própria rede, que gera a primeira vinculação de trabalho com o professor, identificar se porventura há alguma irregularidade”, falou o ministro durante entrevista à repórter Lícia Mangiavacchi, da EPTV, afiliada da TV Globo. Ele esteve em Campinas (SP), nesta tarde, onde visitou o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

A nomeação de Nogueira foi feita pelo próprio ministro da Educação durante a 10ª edição do Prêmio Professores do Brasil (que visa valorizar boas práticas), realizada no Instituto Singularidades, em São Paulo. Bezerra Filho também frisou que o MEC apoia as investigações sobre o caso.

“O MEC atuará em apoio ao estado do Espírito Santo para que a gente possa ir à sua vinculação com a rede local, identificar se por ventura há ilegalidade. Evidente que o MEC jamais vai acobertar qualquer que seja a atitude que não respeite a legislação, que precisa ser respeitada do ponto de vista de contratação de profissionais na área da educação”, destacou o ministro.

Nota da Sedu

A Secretaria de Estado da Educação (Sedu) informa que para ingresso na rede estadual de ensino o requisito proposto é o exigido a licenciatura plena na disciplina específica, podendo ser adquirida por curso de licenciatura plena ou complementação pedagógica que confere esta habilitação, ofertada por uma Instituto de Ensino Superior devidamente autorizada.

“Assim, toda documentação apresentada para comprovação do requisito de ingresso é auditada por uma comissão técnica específica, constituída, desde 2015, formalmente para este fim. Somente após os documentos apresentados serem verificados com a faculdade de origem e se a mesma é credenciada pelo Ministério da Educação (MEC), é que os casos em que são identificadas desconformidades do documento são encaminhados à outras instâncias como Corregedoria da Sedu para providências administrativas, como a abertura de processo”, diz a nota.

Leia a defesa do professor na íntegra

Informo a toda sociedade capixaba, alunos, professores, gestores e cidadãos brasileiros, que acompanham a minha trajetória na Educação pública que todas essas informações que têm sido noticiadas desde ontem pela imprensa, constituem, para mim, algo que se traduz em sentimentos de dor, angústia e, até mesmo, revolta. Em diversas entrevistas que concedi durante os processos de reconhecimento que tenho protagonizado nos últimos meses, projetando a Educação brasileira para os aplausos do mundo, revelei uma sensação de dever cumprido, aquele dever que assumi quando ingressei em uma sala de aula para ser professor.

Em função das minhas condições financeiras e de acessibilidade, fiz meu curso superior de licenciatura em Química no modelo de Educação à Distância, assim como muitos brasileiros fazem hoje. No inicio, ouvi muitas críticas acerca do modelo de ensino EAD. Escutei rumores de que muitos profissionais que se formam com base nessa metodologia, não desenvolvem seus potenciais e, consequentemente, não têm grandes oportunidades. Na condição de estudante, de uma família muito simples, de uma cidade do interior e de situação financeira bastante limitada, a possibilidade de fazer um curso superior apenas se tornou possível por meio do ensino à distância. Após concluir o meu curso, a profissão que escolhi foi a de professor, e o meu desejo sempre foi me tornar um educador capaz de contribuir para transformar a vida dos meus alunos. Encontrei, nessa caminhada, tantas crianças, adolescentes e jovens que haviam perdido a esperança de viver e com a Educação, tenho conseguido ajudar a devolver certeza que um dia as coisas sejam melhores.

Se esse era o meu desejo, sempre soube que precisava me qualificar. Diante dos meus limites, encontrei a opção em um folder, convidando para o curso de licenciatura no Polo de Ensino a Distância, de uma universidade chamada UNIMES, localizada na região próxima a Colatina. No primeiro momento, fui até o local, tirei todas as dúvidas com a diretora, que se apresentou a mim com o nome de “Angélica”. Participei, então, do processo seletivo e, ao ser aprovado, fiz a matricula. Entendi como funcionavam as atividades e provas e paguei pelo curso. A partir de então, me dediquei dia após dia aos estudos, até me formar. Além do pólo de Pancas, havia vários outros instalados pelo Estado, o que nunca me deixou preocupado com a idoneidade da instituição. Após a conclusão do curso, recebi meu diploma, senti-me honrado pela minha formação e preparado para atuar como educador. Hoje, tenho a plena certeza dos meus estudos e dos meus conhecimentos, frutos da minha dedicação e de todo o processo que passei para chegar até aqui.

Ao ver a UNIMES de São Paulo se posicionar, dizendo que desconhece a minha documentação, é, para mim, no mínimo, constrangedor. Se aquela universidade é vítima, do mesmo modo, eu, Wemerson da Silva Nogueira, que sempre acreditei que estava fazendo algo certo, no lugar certo, também sou. Pelo fato de ser o meu primeiro curso superior, nunca me atentei que algo desse tipo poderia ocorrer. Afinal, havia passado regularmente por todos os processos exigidos e o meu único desejo era me formar e ser um profissional do bem e reconhecido. Quando a Universidade se posiciona dizendo que desconhece o meu diploma, entendo que preciso me posicionar também. Se ela que teve seu nome usado por pólos clandestinos aqui no Estado e, possivelmente, em outros lugares do Brasil (conforme citado pelo advogado da instituição, alegando que desde 2015 recebia denuncias), eu, do lado de cá, também me sinto totalmente prejudicado. Nesse contexto, uma coisa é certa: posso provar que estudei sim e tenho documentos e evidências que comprovam isso e, jamais usaria de má fé para me beneficiar.

Ainda cabe registrar que, após chegar de Dubai, onde estive para participar como o único brasileiro entre os dez finalistas do Global Teacher Prize, prêmio internacional de Melhor Professor do Mundo, recebi um contato da UNIMES, de Santos-SP, me parabenizando e manifestando o interesse de fazer uma matéria comigo, como ex-aluno, sobre o destaque que eu havia recebido. Acolhi a mensagem e, por também me considerar um ex-aluno de UNIMES, coloquei-me à disposição para atender à instituição. Tive ainda diversas conversas por meio do WhastApp com a UNIMES de Santos, respondendo aos contatos da universidade, que se apresentou com o intuito de capitalizar para si a minha projeção ao perceber a evidência adquirida com as quase vinte premiações e reconhecimentos estaduais, nacionais e internacionais que eu acabara de receber.

Finalizo pedindo a todos os que acompanham o meu trabalho que, antes de qualquer julgamento nas redes sociais, fiquem certos de que tenho exercido a minha profissão de educador ajudando a melhorar a vida de várias crianças e adolescentes que me olharam como um espelho, uma referência, pois identificaram nas minhas práticas educacionais, esforços e resultados concretos que fazem a diferença no processo ensino-aprendizagem.

Obrigado pela força e pelo carinho de todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *